November 21, 2017

Please reload

Posts Recentes

Verdade amarga de efeitos abençoados

September 12, 2017

 

 

            Lembro-me de uma ocasião em que eu viajava com meu mestre. O chefe da estação de uma cidade que estávamos atravessando acercou-se de mim e pediu-me:

            - Senhor, dai-me alguma coisa para praticar, que prometo segui-la fielmente.

            Disse-me meu mestre:

            - Dá-lhe algo definido para praticar.

            - Por que um tolo haveria de orientar outro tolo? Seria melhor que vós o instruísseis, - respondi.

            Disse-lhe, então, meu mestre:

            - A partir de hoje, não tornes a mentir. Pratica esta regra fielmente durante os próximos os próximos três meses.

 

            A maioria dos funcionários da estrada de ferro naquela área, desonesta, deixava-se subornar. Mas o nosso homem decidiu nunca mais deixar-se subornar e nunca mais tornar a mentir.

 

            Naquela mesma semana, um supervisor do escritório central veio investigá-los, a ele e seus auxiliares. O chefe da estação respondeu com honestidade às perguntas do supervisor. A investigação acarretou sérios problemas para o seu pessoal. Todos os funcionários que aceitavam suborno, incluindo o chefe da estação, foram processados. Este último pensou: “Só se passaram treze dias, e em quantas dificuldades me meti! Que me acontecerá no ‘período’ de três meses?

 

            Pouco tempo depois, a mulher e os filhos o deixaram. No espaço de um mês, sua vida desmoronou como um castelo de cartas a um simples toque.

 

            Naquele dia o chefe da estação estava agoniadíssimo e nós nos achávamos a quatrocentos e oitenta quilômetros de distância, à margem de um rio chamado Narbada. Meu mestre se deitara debaixo de uma árvore. De repente, rompeu a rir. E perguntou-me:

            - sabes o que aconteceu? O homem a quem recomendei que não mentisse está na cadeia.

            - Então, por que rides? – perguntei.

            E ele me respondeu:

            - Não estou rindo dele, estou rindo desse mundo néscio!

 

            Doze pessoas que trabalhavam na sala do homem, reunidas, sustentavam que ele era um mentiroso, muito embora estivesse falando a verdade. Acusaram-no de ser o único culpado do crime de suborno. Foi encarcerado e todos os outros libertados.

 

            Quando levaram o chefe da estação ao tribunal, o juiz olhou-o do alto da sua plataforma e perguntou-lhe:

            - Onde está o teu advogado?

            - Não preciso de advogado.

            - Mas quero que alguém te ajude, - tornou o juiz.

            - Não, - disse o chefe da estação. – Não preciso de advogado, quero falar a verdade. Seja qual for o número de anos de prisão a que me condenardes, não mentirei. Eu costumava partilhar das peitas que nos eram oferecidas, mas encontrei um sábio que me recomendou que nunca mentisse, acontecesse o que acontecesse. Minha mulher e meus filhos me deixaram, perdi o emprego, não tenho dinheiro nem amigos e estou na cadeia. Todas essas coisas se passaram num mês. Tenho de observar a verdade por mais dois meses, sem embargo do que ocorrer. Colocai-me atrás das gradas, senhor, não me importo.

 

            O juiz determinou a suspensão da sessão e, tranquilamente, chamou o homem à sua sala. E perguntou-lhe:

            - Quem foi o sábio que te disse isso?

            O homem descreveu-o. Felizmente, o juiz era discípulo de meu mestre. Absolveu o chefe da estação e disse-lhe:

            - Está no caminho certo. Não te afastes dele. Eu desejaria poder fazer o mesmo.

 

            Volvidos três meses, o homem não possuía mais nada. No dia exato em que se findaram os três meses, ele estava calmamente sentado debaixo de uma árvore quando recebeu um telegrama que dizia: “Vosso pai possuía imensa área de terra que lhe foi tirada há muito tempo pelo governo. O governo, agora, quer dar-vos uma compensação.” Deram-lhe um milhão de rúpias (cerca de 100.000 dólares americanos). Ele não soubera da existência dessa área, localizada numa província diferente. E pensou: “Faz três meses que deixei de mentir e fui tão fartamente recompensado”.

 

            Entregou a compensação à esposa e aos filhos, e estes, felizes, lhe disseram:

            - Queremos voltar para junto de vós.

            - Não, disse ele. – Até hoje só vi o que aconteceu quando não mentimos durante três meses. Agora quero descobrir o que acontecerá se eu não mentir pelo resto de minha vida.

 

            A verdade é a meta suprema da vida humana e, praticada com a mente, as palavras e os atos, poderá ser alcançada. Podemos chegar à verdade praticando o não-mentir e não executando atos encontrados com a nossa consciência. A consciência é o melhor dos guias.

 

Vivendo com os Mestres do Himalaia

Swami Rama

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

nucleocristalbsb@gmail.com

© 2019 -  Núcleo Cristal